A Comissão Europeia (CE) apelou aos Estados-membros para designarem portos onde se possa proceder a trocas rápidas de tripulações no cenário de pandemia de Covid-19.

A Comissão Europeia (CE) emitiu um conjunto de directrizes com o objectivo de oferecer aos Estados-membros clareza de processos para facilitar os acordos de trânsito dos marítimos e a implementação de corredores verdes. O sector do transporte marítimo sente dificuldades crescentes para realizar as cerca de 100 mil trocas de tripulações por mês que são necessárias.

“As directrizes de hoje apelam aos Estados-membros para que, em coordenação com a Comissão,  designem portos nas costas da UE para mudanças rápidas de tripulação, com instalações adequadas para que os marítimos realizem exames médicos, quarentena se exigido pelo país em questão e ligações de transporte ao país de origem”, refere a nota divulgada pela CE.

As directrizes agora divulgadas por Bruxelas recomendam, entre outras medidas, que, além da Declaração Marítima de Saúde já existente,  os navios comuniquem, quatro horas antes da chegada ao porto,  o número de pessoas a bordo e quaisquer infecções confirmadas ou suspeitas de Covid-19.

A comissária europeia dos Transportes, Adina Valean, destaca a importância dos profissionais marítimos para o abastecimento das populações. “Os marítimos estão a manter abertos os canais vitais para a nossa economia e cadeias de abastecimento, já que 75% do comércio da UE e 30% de todos os bens da UE são transportados por mar”.

“As directrizes incluem aconselhamento sanitário, recomendações para mudanças de tripulação, desembarque e repatriamento para marítimos e passageiros. Solicito aos Estados-membros que designem portos onde possam ocorrer mudanças rápidas de tripulação e recordo que os operadores de cruzeiros têm responsabilidade sobre os seus clientes e trabalhadores, devendo levar todos para casa em segurança”, refere, citada no documento, a comissária.

FONTE: TRANSPORTES&NEGÓCIOS