Resultado de imagem para GUEDES AGENDA LIBERAL

As primeiras reações da equipe econômica diante da catástrofe que se aproximava provocaram irritação no mundo político

Quando o coronavírus já assustava meio mundo, Paulo Guedes sugeriu ao Congresso Nacional que avançasse com a privatização da Eletrobras e da Casa da Moeda. Por semanas, o ministro da Economia insistiu em que sua agenda liberal era a única maneira de conseguir dinheiro para enfrentar a crise.

Consideradas insuficientes, as primeiras reações da equipe econômica diante da catástrofe que se aproximava provocaram desconfiança de investidores e irritação no mundo político. Guedes conseguiu piorar ainda mais esse ambiente nos últimos dias.

A desastrosa medida provisória que permitia a suspensão de contratos de trabalho sem medidas de compensação contaminou de vez o receituário que o ministro pretendia deixar como marca e drenou o capital político que ele já vinha perdendo desde que assumiu o cargo.

Sua equipe alegou que o governo amenizaria a perda de renda dos trabalhadores em uma medida que seria publicada posteriormente, mas o estrago estava feito. O vaivém que levou Bolsonaro a defender a ação pela manhã e revogá-la menos de quatro horas depois ampliou a deterioração.

Investidores e integrantes da equipe apontam, há dias, que o ministro emite sinais contraditórios e deixa de apontar rumos claros no esforço para enfrentar a crise.

Na sexta (20), Guedes teve conversas individuais com grandes empresários, mas deixou de participar da videoconferência pública em que eles pediram apoio a Bolsonaro. No fim de semana, os apelos continuaram, mas o ministro não foi visto. Finalmente, na segunda (23), quando a medida da suspensão de contratos se tornou pública, o chefe da economia não apareceu para dar explicações.

 

Em seus 15 meses no posto até aqui, Guedes se notabilizou por desconsiderar danos políticos que seus planos poderiam produzir. Não foram poucas as ocasiões em que o ministro, concentrado nas cifras das contas públicas, ignorou o impacto social amargo de suas medidas de aperto.

Guedes chegou a incluir na proposta de reforma da Previdência uma proposta que reduzia o valor pago a idosos muito pobres e a deficientes, o BPC (Benefício de Prestação Continuada). Apresentou também, na medida provisória que flexibiliza a contratação de jovens, uma controversa taxação sobre o seguro-desemprego.

As duas ideias foram bombardeadas e derrubadas pelo Congresso. O desgaste, no entanto, se acumulou. A cada plano com essas características, a agenda do ministro perdeu tração entre parlamentares e passou a incomodar até o presidente.

Bolsonaro se alinhou à cartilha liberal e abraçou boa parte dos planos de Guedes, mas também manifestou oposição a propostas que podiam causar prejuízos políticos ao governo.

Em diversas ocasiões, o comportamento do presidente provocou questionamentos sobre o poder que o superministro teria para fazer avançar sua agenda. Ainda antes de tomar posse, Bolsonaro criticou a reforma da Previdência sugerida pelo governo Michel Temer —mais suave que aquela planejada por Guedes. “Não podemos querer salvar o Brasil matando idoso”, afirmou.

Foi o próprio presidente quem torpedeou os planos de reforma administrativa, que aplicaria regras mais duras ao funcionalismo público para reduzir as despesas do governo com servidores. Guedes queria uma mudança radical, Bolsonaro determinou um rearranjo suave, que nunca se concretizou.

As divergências apontavam que o ministro pôs as planilhas à frente da viabilidade política de seus planos e, especialmente, das penalidades sociais embutidas nessa agenda.

Os choques produzidos por aquelas propostas provocaram, aos poucos, os primeiros sinais de fragilidade do ministro. Guedes, porém, se beneficiou do fato de que eram tempos de relativa calmaria e se protegeu atrás do apoio de investidores para dobrar a aposta.

As duas circunstâncias se esvaíram em poucos dias com a crise do coronavírus. Ainda assim, o ministro preferiu se agarrar à unha a suas antigas convicções.

Enquanto até governos europeus comprometidos com fórmulas fiscalistas passaram a adotar medidas emergenciais de expansão de gastos, Guedes insistiu na aplicação de um receituário inapropriado para tempos de caos.

A medida provisória que permitia a suspensão de contratos de trabalho contamina ainda mais a agenda econômica. Qualquer plano, de agora em diante, tende a ser recebido com contestação e desconfiança nas ruas, no Congresso e, principalmente, no gabinete presidencial.

 FONTE: FOLHA DE S.PAULO